segunda-feira, 2 de novembro de 2009

AUSÊNCIA





AUSÊNCIA
Vinícius de Moraes

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces

Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto

No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida

E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz

Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.

Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados

Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada

Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.

Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face

Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada

Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu porque eu fui o grande íntimo da 

noite

Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa

Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço

E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado

Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos

Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir

E todas as lamentações do mar do vento do céu das aves das estrelas

Serão a tua voz presente a tua voz ausente a tua voz serena


7 comentários:

Graça disse...

Bom dia, minha querida.

[sabe que vc me baralhou com os dias? eu ainda estou na manhã de segunda, e a Rê a desejar-me boa terça?]

Este poema de Vinicius é lindíssimo, aliás eu gosto imenso das suas poesias. No ano passado, alguns dos meus alunos escolheram-no para as suas exposições orais. Foram aulas magníficas.

Beijo grande, amiga, vou trabalhar.

Everson Russo disse...

Lindissimo poema, lindissima menina, a ausencia na vida da gente, seja lá do que for, dói um pouco, é como faltar um pedaço do coração...beijos meu anjo, otimo feriado pra ti,,,muito sorriso no rosto, e muito amor e paz nesse coração de ouro

Cadinho RoCo disse...

Que delícia estar ao enlevo do seu lirismo e de saber sentir o cheiro jeito trejeito desse seu sentimento solto em inspiração vinda de poesia tão contundente.
Cadinho RoCo

Vivian disse...

...nada como um bom sorriso
para amainar qualquer ausência
sentida.

o nosso, e de quem nos sorrí
com amor, tal qual este que
vejo neste post encantador.

beijinhos, menina com olhos
de esperança!

Luciana disse...

Uma grande verdade esse poema boa lembrança de Vinicius de Moraes.
Bjs

BANDEIRA disse...

Nossa !
Ainda não havia lido este poema tão belo do Vinícius.

Parece me que é algo tipo: estar só, solidão, saudade de quem se foi ???? ausência !!!!

É o que sinto hoje, estou só. É incrível como a ausência do outro nos perturba.

Amiga, obrigada pelas visitas lá em Bandeiras. Como fiz uma pequena cirurgia, estou de môlho hoje em casa e isso não me faz bem. A solidão é traiçoeira e fere como faca afiada.
Teu post retrata o meu dia.
Mas no geral, estou ótima, uma queda de pressão arterial queria me tirar do sério, mas já passou.
Vamos ao que interessa : A VIDA !
Viver é bom !
Gosto de vir aqui, não venho mais vezes por pura falta de tempo. Mas nunca esqueço de ti.

Vou ver um pouco de tv, depois volto aqui e irei lá no teu outro blog de poesias.

BEIJOS !

BANDEIRA disse...

...não poderia deixar de comentar...
Mas essa foto sua está simplesmente, BELA !
Que bom, vc está ótima. Gosto de te ver assim,
Bjs