quarta-feira, 31 de março de 2010

SONHOS, BEIJOS E BOA PÁSCOA PARA TODOS!!!







 SONHOS, BEIJOS E BOA PÁSCOA PARA TODOS!!!



*Há quem diga que todas as noites são de sonhos.

Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão.

No fundo, isso não tem muita importância.

O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos*


Beijos e Boa Páscoa!!!!


Para todos aqueles que estão tristes;


Para todos aqueles que se sentem em baixo;

Para todos aqueles que, neste momento,

vêem tudo cinza;

Para todos aqueles que se sentem deprimidos e

Para todos os outros também!



terça-feira, 30 de março de 2010

CANÇÃO GRATA**************






CANÇÃO GRATA

Almada Negreiros, salvo engano, segundo um leitor, a quem agredeço muito*


Por tudo o que me deste


inquietação cuidado


e um pouco de ternura


é certo mas tão pouca


Noites de insónia


Pelas ruas como louca


Obrigada, obrigada


Por aquela tão doce e tão breve ilusão


Embora nunca mais


Depois de que a vi desfeita


Eu volte a ser quem fui


Sem ironia aceita


A minha gratidão


Que bem que me faz agora


o mal que me fizeste


Mais forte e mais serena


E livre e descuidada


Sem ironia amor, obrigada


Obrigada por tudo o que me deste


Por aquela tão doce

e tão breve ilusão

Embora nunca mais

Depois de que a vi desfeita

Eu volte a ser quem fui

Sem ironia aceita

A minha gratidão


LETRA PARA CANTAR





LETRA PARA CANTAR



Lope de Vega (1562-1635)

Lucinda,

Que não sejam tuas belas
pupilas, na forma, estrelas
bem pode ser.
mas que na claridade
não tenham certa deidade,
não pode ser.

Que a boca celestial
não seja o próprio coral,
bem pode ser.
mas que não exceda a rosa
em ser rubra e cheirosa,
não pode ser.

Que não seja o branco peito
de neve ou cristais feito,
bem pode ser;
mas que não exceda a alvura
dos cristais e neve pura,
não pode ser.

Que não seja Apolo, sol
anjo puro e rouxinol,
bem pode ser;
mas que dos anjos não tenha
só o que aos anjos convenha
não pode ser.

Que não sejam açucenas
as veias e as mãos serenas,
bem pode ser;
mas que nelas não se vejam
quantas graças se desejam,
não pode ser.



Trad. cometida pela Renata M. P. Cordeiro

domingo, 28 de março de 2010

SEM CUIDAR QUE ESTAVA SÓ...





SEM CUIDAR QUE ESTAVA SÓ...

Sem cuidar que estava só,

Em mãos à obra deitei;

Dia e noite trabalhei,

— De cansada dava dó, —

E, dos pés, o sangue ao pó

Das estradas se juntava

Numa pasta ensangüentada

(Que eu dizia "é pão-de-ló");

Mais moidinha ficava

Que o trigo ao sair da mó.


by Ester Cordeiro in memorian

sábado, 27 de março de 2010

SOU ASSIM, E COMO...




SOU ASSIM, E COMO...

Sou assim,

Sou irresponsável,
 
como criança...
 
Sou fera,
 
como gente grande...
 
Sou assim, 

começo, meio e fim
 
 E vou comendo...

como a Vida!

e como Tudo! 

 







Suely Ribella ©Ferina Sue
Adap. pela Renata