quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

ANTES QUE TERMINE O DIA





ANTES QUE TERMINE O DIA


Amo ouvir sua voz, dizendo-me coisas... amo imaginar que estou ao seu lado, sentindo o seu corpo colado ao meu... amo imaginar os seus lábios tocando os meus e num beijo molhado, saciando a minha sede e calando a minha alma... amo o seu perfume, o seu jeito de ser... amo acreditar que vamos ficar juntos para sempre... tudo em você me completa... ter encontrado você foi o meu melhor presente... sinto-me feliz ao seu lado, porque você é muito especial para mim... transformou a minha vida e mudou o meu mundo... fez-me ver cores e flores onde antes eu não via, a maior delas foi a descoberta do verdadeiro amor... e por isso eu lhe digo, do fundo do coração: eu amo e vou amar você, cada dia mais, até o último dia da minha vida. Amar todos os dias como se fosse o primeiro e o único. Ser delicado e ser justo, adorar, apreciar cada momento. Ser gentil, desejar, viajar, acreditar, querer. Proteger, beijar, abraçar, dizer não quando achar necessário, agradecer, chorar de felicidade, amar antes que termine o dia.
rm

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

EU BEBO A VIDA, A VIDA, A LONGOS TRAGOS





EU BEBO A VIDA, A VIDA, A LONGOS TRAGOS


Florbela Espanca

Eu bebo a Vida, a Vida, a longos tragos
Como um divino vinho de Falerno!
Pousando em ti o meu amor eterno
Como pousam as folhas sobre os lagos…

Os meus sonhos agora são mais vagos…
O teu olhar em mim, hoje, é mais terno…
E a Vida já não é o rubro inferno
Todo fantasmas tristes e pressagos!

A vida, meu Amor, quer vivê-la!
Na mesma taça erguida em tuas mãos,
Bocas unidas hemos de bebê-la!

Que importa o mundo e as ilusões defuntas?…
Que importa o mundo e seus orgulhos vãos?…
O mundo, Amor?… 
As nossas bocas juntas!…

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

TRAJETÓRIA EM PRETÉRITO PERFEITO




TRAJETÓRIA EM PRETÉRITO PERFEITO

Compus uma canção
Pintei um nome
Bordei uma cruz
Dei pontos sem nó
Plantei um pé de manacá
Semeei grãozinhos
Rabisquei umas linhas
Suei o sal da terra
Percorri vales e desertos
Perdi o rumo
Sussurrei palavras ao vento
Amei o amor
Tive um filho
Sucumbi a chuvas e tantas penas
Ardi em labaredas
Ressurgi das cinzas
Lavei as culpas
Esperei a alvorada
Cantei com a passarada
Gritei a dor profunda
Presenciei o horror paralisada
Resisti a tempestades
Agarrei fumaça
Teci fios de seda
Passei por aqui*

domingo, 30 de novembro de 2014

O CÉU DESPENCA

O CÉU DESPENCA


chô, chuá
chove no Jaraguá
chove chuva
sem parar
inundando as marginais
imundando quem se atola
chove chuva no Tatuapé
e muito nego deixou o blindado
prá se locomover a pé...
chô, chuá
a cidade não pode pará
bradam aflitos
os capitães da indústria
a massa de formigas laboriosas
está desorientada
tem água na trilha
quem saiu e não chegou
quem foi e não voltou...
a chuva castiga os morros
levou cavaquinho e violão
invadiu a casinha da dona Maria
derrubou a árvore
arrastou cães e crianças
e implacável despenca seu choro
das nuvens ameaçadoras
que choram em convulsão
será que o pranto não passa?
E essa enxurrada que rola e arrasta
ladeira abaixo
passarela de bananas e melancias
trastes e troços
arrancados dos barracões...
chô, chuá
haja algodão
prá enxugar tanta lágrima!

sábado, 22 de novembro de 2014

ESPERANDO A NOITE CHEGAR



ESPERANDO A NOITE CHEGAR

Sem o pio das aves noturnas
nem mesmo grilos impertinentes
ou sinos ao longe
sem luar nem estrelas
espero a noite chegar,
que me cubra com seu manto
de solidão e silêncio
que afogue em morna escuridão
essa ânsia de amar e viver
de fazer e desfazer
minha insônia teimando
em vencer o corpo cansado
esse palpitar acelerado no peito
A música estridente
grito desesperado nas trevas
vinda de alguma janela
só me diz que há mais alguém por aí
em sua toca esperando a noite chegar
Quero que venha serena
como onda de mar em calmaria
que umedeça minha pele seca
e a cubra de carícias
desejo tão-somente
o afago da mão
percorrendo os meus cabelos rebeldes
e um beijo de boa noite

@ Renata Cordeiro

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

SOU ASSIM, E COMO...





SOU ASSIM, E COMO...

Sou assim,

Sou irresponsável,
 
como criança...
 
Sou fera,
 
como gente grande...
 
Sou assim, 

começo, meio e fim
 
 E vou comendo...

como a Vida!

e como Tudo! 




Suely Ribella ©Ferina Sue
Adap. pela Renata 

domingo, 16 de novembro de 2014

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

POR VOCÊ E POR MIM



POR VOCÊ E POR MIM



Nas palavras em que me debruço

Nos degraus em que contemplo

Rio soluço

Não me importa o tempo.

Vejo os seus dedos

Seu corpo em movimento

Que dança a meio no firmamento.

Escrevo por você e por mim

Pelos sentidos e sentires afins.

Maravilhoso encantamento!

Lindo divino que me inspira!

Sou por quem você suspira.

Percebo ao luar o seu sorriso

Pétalas caem do Paraíso,

Enchendo o mundo de esplendor,


Envolvendo-me numa ímpar onda de amor...
Renata Cordeiro 


Mensagens de Amor

domingo, 9 de novembro de 2014

A SOLIDÃO E O ETERNO DESENCANTO DO HOMEM



A SOLIDÃO E O ETERNO DESENCANTO DO HOMEM

Solidão,
Aqui estão as minhas credenciais,
À tua porta, venho batendo
Já faz algum tempo
Acho que passaremos juntos por temporais,
 acho bom que tu e eu nos vamos conhecendo.

Cá estou
O que tenho são as minhas cicatrizes
Palavras sobre papel pautado
Faz ouvidos moucos ao que dizem
Tu me acharás
Em tudo o que eu não digo.

Já passou
Já deixei para trás o que denigra
A ilusão de que viver é (in) dolor
Que estranho que sejas tu
Quem me acompanhe, solidão
a mim, que nunca me soube bem
estar sozinho.

***

Espera-me!!! 
ouve ele ao longe...



quarta-feira, 5 de novembro de 2014

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

MOMENTOS


MOMENTOS



Numa tira de papel

– uma das tantas folhas que carrego - ensaio

um poema e me lembro – quando muito – de uma canção

Ao redor, cenas perfeitas nos gestos

E rostos desconhecidos

E você monta num roteiro imaginário

Diálogos não ouvidos, reconstruindo

Num piscar de olhos a vida, um teatro?

Olhos abertos, submergimos em nossa própria história

ah, essas águas contidas que às vezes

rompem barragens e nos arrastam no turbilhão...

Essas pupilas que se refletem não precisam de linguagem;

são dois espelhos cara a cara à procura de uma imagem

quando a vêem são muitas, divididas

Girar a roda do tempo

tornar àquela praia, falar ao vento

e às ondas do mar do ponto

em que se se cruzaram - estranhos – nossos caminhos...

entre quatro paredes reviver os momentos de prazer

e dor antecipada da tristeza mais funda deste mundo...

As mil histórias que vivemos rebelam-se

à escritura, não querem perenidade à falta de futuro

talvez só um pouco de ternura, querem ser presente,

mesmo que efêmera felicidade.


® Renata Cordeiro

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

CHORO BANDIDO





CHORO BANDIDO

Edu Lobo/Chico Buarque




Mesmo que os cantores sejam falsos como eu

Serão bonitas, não importa

São bonitas as canções

Mesmo miseráveis os poetas

Os seus versos serão bons

Mesmo porque as notas eram surdas

Quando um deus sonso e ladrão

Fez das tripas a primeira lira

Que animou todos os sons

E daí nasceram as baladas

E os arroubos de bandidos como eu

Cantando assim:

Você nasceu para mim

Você nasceu para mim

Mesmo que você feche os ouvidos

E as janelas do vestido

Minha musa vai cair em tentação

Mesmo porque estou falando grego

Com sua imaginação

Mesmo que você fuja de mim

Por labirintos e alçapões

Saiba que os poetas como os cegos

Podem ver na escuridão

E eis que, menos sábios do que antes

Os seus lábios ofegantes

Hão de se entregar assim:

Me leve até o fim

Me leve até o fim

Mesmo que os romances sejam falsos como o nosso

São bonitas, não importa

São bonitas as canções

Mesmo sendo errados os amantes

Seus amores serão bons

domingo, 26 de outubro de 2014

SÓ VOU GOSTAR DE QUEM GOSTA DE MIM



SÓ VOU GOSTAR DE QUEM GOSTA DE MIM


De hoje em diante
Eu vou modificar
O meu modo de vida
Naquele instante
Em que você partiu
Destruiu nosso amor
Agora não vou mais chorar
Cansei de esperar
De esperar enfim
E prá começar
Eu só vou gostar
De quem gosta de mim...

Não quero com isso
Dizer que o amor
Não é bom sentimento
A vida é tão bela
Quando a gente ama
E tem um amor
Por isso é que eu vou mudar
Não quero ficar
Chorando até o fim
E prá não chorar
Eu só vou gostar
De quem gosta de mim...

Não vai ser fácil
Eu bem sei
Eu já procurei
Não encontrei meu bem
A vida é assim
Eu falo por mim
Pois eu vivo sem ninguém...

De hoje em diante
Eu vou modificar
O meu modo de vida
Naquele instante
Em que você partiu
Destruiu nosso amor
Agora não vou mais chorar
Cansei de esperar
De esperar enfim
E prá começar
Eu só vou gostar
De quem gosta de mim...

Composição: Rossini Pinto