domingo, 16 de março de 2014

TORNOU-SE AMOR O OUTONO






TORNOU-SE AMOR O OUTONO

Tornou-se amor o outono
Na palidez do dia
No mais profundo sono
Na minha cama macia

Uma estação temporã
Que desenhou com um traço
Os contornos do amanhã,
Terminando num abraço

O sonho parou o tempo
Esqueceu a primavera
Soprou suave o vento
Já de uma nova era

Dois exaltados pensamentos
De uma fuga inusitada
E me vou num momento
Para o meio do nada

Na hora silenciosa
Hora de meditação
Minha alma queixosa
Vai pedir perdão

Perdão ao tardio amor
Que não soube cultivar,
Desperdiçando o melhor
Que o outono podia dar
 
Renata Cordeiro 


6 comentários:

wcastanheira disse...

_Perdão ao tardio amor
Que não soube cultivar,
Desperdiçando o melhor
Que o outono podia dar...Lindo momento, profundamente poético, alma e coração, amei principalmente este verso lino e dxo pra guria beijinhos e beijinhosssssssssssssssss

José María Souza Costa disse...

Às vezes, o astral está lá embaixo. Finja que não é com você. Não se deixe cair. E se cair. Levante. Não se deixe vencer, nem pela tristeza e nem pela Saudade. Os laços afetivos hoje em dia, estam sempre mais distantes. E os amigos. Ora, os amigos. Que todos nós, tenhamos um dia de Domingo, bom. Agradável. Bom dia. Bom dia de domingo.

Daniel Costa disse...

Que belo poema, com a canção de embalar a nos trazer o prazer de o ler. Renata, quem sabe nunca esquece.
Beijos

Célia Rangel disse...

É sempre tempo de se podar e renascer - afinal - outono a chegar!
Abraço.

Felisberto Junior disse...

Olá,Boa noite, Renata
...não será tardio r tudo vale a pena, quando o sentimento nasce para nos ensinar o caminho certo de um possível amar...
Mas, com certeza, acreditar é uma forma de chegar e, se não chegar
É sinal que alguma coisa veio para nos mostrar.
Obrigado pelo carinho,bela semana, beijos!

MARILENE disse...

É triste aprender com o arrependimento, mesmo sabendo que ele também é uma das formas de crescimento.
Belo vídeo, Renata! Bjs.