sexta-feira, 31 de outubro de 2014

MOMENTOS


MOMENTOS



Numa tira de papel

– uma das tantas folhas que carrego - ensaio

um poema e me lembro – quando muito – de uma canção

Ao redor, cenas perfeitas nos gestos

E rostos desconhecidos

E você monta num roteiro imaginário

Diálogos não ouvidos, reconstruindo

Num piscar de olhos a vida, um teatro?

Olhos abertos, submergimos em nossa própria história

ah, essas águas contidas que às vezes

rompem barragens e nos arrastam no turbilhão...

Essas pupilas que se refletem não precisam de linguagem;

são dois espelhos cara a cara à procura de uma imagem

quando a vêem são muitas, divididas

Girar a roda do tempo

tornar àquela praia, falar ao vento

e às ondas do mar do ponto

em que se se cruzaram - estranhos – nossos caminhos...

entre quatro paredes reviver os momentos de prazer

e dor antecipada da tristeza mais funda deste mundo...

As mil histórias que vivemos rebelam-se

à escritura, não querem perenidade à falta de futuro

talvez só um pouco de ternura, querem ser presente,

mesmo que efêmera felicidade.


® Renata Cordeiro

13 comentários:

Edumanes disse...

Numa tira de papel,
para ti escrevo versos
depois pego no pincel
na tela pintar catetos.

A olhar para ti,
vou pintar o teu rosto
a pensar estou aqui
já depois do sol posto!

Escrevi estas letras,
na nebulosa noite escura
no céu com as estrelas
também não vejo a lua!

Não vou falar do vento,
nem doutras coisas do passado
estão guardadas no pensamento
dentro do peito coração sossegado!

Bom fim de semana, um beijo para você Renata Maria.
Eduardo.

wcastanheira disse...

__entre quatro paredes reviver os momentos de prazer...Uauau q dilicia, q quentinho, vc como sempre é quente, é tátil, é pele, é carne e sensação e merece beijinhos e beijinhosssss

Marisa Giglio disse...

Renata , seu poema nos envolve ao revelar toda delicadeza nele contida . Parabéns , mais uma vez . Beijos e boa semana .

Olhos de mel disse...

Amiga querida; a vida é um teatro, onde se encerra uma apresentação e começa outra. Um eterno recomeço. Temos que renascer a cada morte diária e aprender a levantar a cada queda que a vida nos impóe.
Mas são esses momentos sofridos, que escrevemos coisas lindas, triste e sofridas, como essa prosa poética!
Linda demais!
Bom domingo e boa semana! Beijos

ReltiH disse...

UN TEMA MUY INTERESANTE.
UN ABRAZO

Rosemildo Sales Furtado disse...

Belo e profundo poema Renata. Só que, um tanto metafórico. Rsrs.

Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado.

Samuel Balbinot disse...

Muito bom dia poetisa querida..
momentos hora de amores hora de dores.. o bom que nos versos nos libertamos.. bjs e até sempre

Lu Nogfer disse...

Linda e intensa a tua poesia, Renata!
Gosto muito.

Beijos

Sherazade disse...

Querida amiga; um momento que vale a pena pensar e extrair forças do fundo da alma para levantar. Eles também fazem parte da vida e você o descreveu de uma forma linda, embora tristinha!
Beijos

Zilani Célia disse...

OI RENATA!
AS HISTÓRIAS QUE VIVEMOS FAZEM PARTE DE NOSSO EU MAIS PROFUNDO.
LINDO DEMAIS AMIGA.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Rosemildo Sales Furtado disse...

Oi Renata! Retornando para te cumprimentar e desejar uma ótima quarta-feira para ti e para os teus.

Abraços,

Furtado.
PS. Amanhã tem História da Literatura Portuguesa lá no Literatura & Companhia Ilimitada.

MARILENE disse...

Nossas vidas, nossos momentos especiais, nossa saudade... fragmentos vivos na memória. Belos versos, Renata! Bjs.

Carmem Grinheiro disse...

Olá Renata,
belo poema, triste constatação: "efêmera felicidade" - mas enquanto durar, que seja eterna ;)
bj amg