domingo, 9 de novembro de 2014

A SOLIDÃO E O ETERNO DESENCANTO DO HOMEM



A SOLIDÃO E O ETERNO DESENCANTO DO HOMEM

Solidão,
Aqui estão as minhas credenciais,
À tua porta, venho batendo
Já faz algum tempo
Acho que passaremos juntos por temporais,
 acho bom que tu e eu nos vamos conhecendo.

Cá estou
O que tenho são as minhas cicatrizes
Palavras sobre papel pautado
Faz ouvidos moucos ao que dizem
Tu me acharás
Em tudo o que eu não digo.

Já passou
Já deixei para trás o que denigra
A ilusão de que viver é (in) dolor
Que estranho que sejas tu
Quem me acompanhe, solidão
a mim, que nunca me soube bem
estar sozinho.

***

Espera-me!!! 
ouve ele ao longe...



5 comentários:

Edumanes disse...

Partir para a solidão!
dizer adeus não quero
do homem descanso eterno,
do que ir para debaixo do chão
antes quero viver no inferno?

Tenho as minhas razões,
mas não irão prevalecer
nem vencer contradições
neste mundo prefiro viver!

Bom domingo desejo para você Renata Maria, um beijo.
Eduardo.

Daniel Costa disse...

Renata

Gostei do poema, ou não fosse da tua opção o traduzir. Mas enfim, o homem sempre precisa de causas, para lutar sempre.
Beijos

MARILENE disse...

Renata, é música é belíssima. Gosto muito de Laura Pausini.
É preciso aprender a estar só porque nem sempre há um ombro amigo a nos oferecer abrigo.
Bjs.

Fernando Santos (Chana) disse...

Cada um de nós veio aqui para realizar algo muito especial. E é justamente neste “vazio” que temos a oportunidade de criar, de renovar, de poder despertar nossa sensibilidade e desenvolvermos belas melodias, inigualáveis poesias....
Cumprimentos

Rosemildo Sales Furtado disse...

Às vezes, a solidão nos proporciona alguns momentos para reflexão, auxiliando-nos nas tomadas de decisões sobre os altos e baixos da vida. Linda música. Ótima escolha.

Abraços,

Furtado.