domingo, 30 de março de 2014

FLOR BELA





FLOR BELA

florzinha silvestre
singela e sem nome
à beira da estrada
em descuidados matagais
à vista de todos e qualquer
ao alcance da mão
sem aparentes mistérios
quase sem fragrância
despercebida
talvez a desfolhe algum apaixonado
pra saber se seu bem o quer
ou fique ali relegada
à existência serena
de quebrar o verde
com respingos de branco
em tardes de verão
atraiu-me um dia
a beleza fria da orquídea
segredo envolto em cores plácidas
de flor frágil, efêmera e rara
mas já não me cativam
preciosidades de estufa
volto aos campos e caminhos
em busca do encanto
que de tanto ninguém vê
de pétalas ao sol
em sorriso franco
na alegria de ser e não ser mais
que simples flor do campo

sábado, 29 de março de 2014

MINHAS PALAVRAS



MINHAS PALAVRAS

Há momentos em que gostaria de ter o dom da palavra,
Escrever lindamente.
Mas o que escrevo é com o coração.
E por estas minhas palavras, tento falar o que o meu coração quer dizer.
“Tu és para mim um presente.
Uma dádiva enviada por Deus.
Claro que todo mundo sonha em encontrar o amor,
mas jamais pensei que fosse assim.
Tão bom, tão completo, tão... completador.
Nem sei se essa palavra existe.
Só queria dizer que te amo.
Que esse amor me completa
E me tem feito muito feliz”.

sexta-feira, 28 de março de 2014

O AMOR ELA E O MAR, POEMA OFERTADO POR EVERSON RUSSO



O AMOR ELA E O MAR 

Quando ela descobriu o amor
Abriu os braços pra ele abrigar
Fechou os olhos pra um sonho sentir
Toda sua pele tocada pelo mar
Cabelos molhados cheios de emoção
Carinhos e delicias de um eterno verão
Sozinha ali encantando a paisagem
Fazendo amor e pedindo passagem
O amor ela e o mar
Poesia do tempo de um anjo
No céu a pairar
Delírio das horas que descobrem o infinito
Horizonte que faz um segundo eterno
Roubando seu sorriso mais bonito
Seu corpo é perfeito em curvas e poesia
Seus passos de harmonia e eterna magia
Enlouquecem as nuvens
Que se fazem bailar
Escrevendo seu nome no mundo
Insistentemente a te procurar
O amor é ela
E ela é o amor
Fazendo a canção mais bela
Nos delírios do seu calor
O mar é um cartão postal
Pano de fundo pra musa
Que de tão linda faz o sonho possível parecer irreal.

By Everson Russo
evrediçõesmusicais®
Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98
O post de hoje é dedicado a Renata Cordeiro do blog Eu e Dai?blogrenataeuedai.blogspot.com que é a garota da foto e gentilmente cedeu sua beleza ao Livro dos Dias, beijos querida amiga e obrigado pela belissima foto.

21/08/2009

quinta-feira, 27 de março de 2014

MARIA, POEMA DE DANIEL COSTA




MARIA


Maria nome de mulher
Da mitologia é esplendor
Agora uma deusa
Será deusa do amor
Belo coração
Ardente de calor
Reluzente de emoção
Acabando um lindo parceiro
Sofre Serena
Não aceita o primeiro
O coração palpita
Desejo de amor moderno
No etéreo eterno acredita
Sonha freme de amor
Chama de pura paixão
Aflora a fada madrinha
Mais a varinha de condão
Depois o Príncipe
Chegaria de balão
Que Maria de corpo belo
Sua mente não procura ilusão
Não é amor de um dia
É amor do coração
Promete amá-la até à eternidade
Com crescente paixão

Daniel Costa
 
 
Este poema me foi ofertado por Daniel Costa

http://danielmilagredanieldaniel.blogspot.com/
 
 
 

quarta-feira, 26 de março de 2014

TRAJETÓRIA EM PRETÉRITO PERFEITO





TRAJETÓRIA EM PRETÉRITO PERFEITO

Compus uma canção
Pintei um nome
Bordei uma cruz
Dei pontos sem nó
Plantei um pé de manacá
Semeei grãozinhos
Rabisquei umas linhas
Suei o sal da terra
Percorri vales e desertos
Perdi o rumo
Sussurrei palavras ao vento
Amei o amor
Tive um filho
Sucumbi a chuvas e tantas penas
Ardi em labaredas
Ressurgi das cinzas
Lavei as culpas
Esperei a alvorada
Cantei com a passarada
Gritei a dor profunda
Presenciei o horror paralisada
Resisti a tempestades
Agarrei fumaça
Teci fios de seda
Passei por aqui*

terça-feira, 25 de março de 2014

DECLARAÇÃO



DECLARAÇÃO

Tenho por ti amor

Mas não te posso falar

Porque de mim te afastarias

Calos na alma de tanta dor?

O que é pior

O medo de sofrer ou não amar?

Se te entregasses, tu o saberias

Quem na vida não ama

Só passa por aqui, não deixa rastos

Mas o corpo sempre clama

Por carinhos, abraços

Ao menos por uma vez, tenta

Se não tentares, não saberás

O que eras, de novo, serás


No mar não haverá tormenta.

segunda-feira, 24 de março de 2014

O AMOR



O AMOR

O amor desvenda-se devagar
Sem pressa de lá chegar.

O olhar é o desvelar do mistério
Da alma onde se deseja pousar.

O amor são as janelas do amanhã
Tornado em desejo presente.

O amor é tudo o que se faz em romã
O sangue dum céu sempre poente.

Este poema me foi oferecido por Jordão Freitas

http://apoesiaandanarua.blogspot.com.br/


domingo, 23 de março de 2014

ALVORECER


ALVORECER



"Preciso de teu porto



Outras águas para navegar



Olhos abertos



Serenidade



Vislumbre aconchego



Irradia



Reflete essa transparência



De olhos marejados



Alma em mãos



Uma outra vida



Uma nova chance



Onde tudo são risos



Onde a pele estampada



Vibra forte



E a amplitude da vida



Se renova a cada alvorecer"



De Nayara à serena Renata.

sábado, 22 de março de 2014

COM VERSOS DOCES, SONHO...




COM VERSOS DOCES, SONHO...

Com versos doces, sonho, e de íntimas ramagens,
Versos para roçar a alma, como as plumagens.

Versos fluidos, de tom loiro e enredo espalhado,
Quais ao vento, de Isolda, os cabelos dourados.

Versos serenos, não tramados, não cadentes,
Em que, qual remo, escorre a rima tão silente.

 Versos de antigo estofo, e de todo exaurido,
Como a nuvem e o som não podem ser sentidos.

 Versos do entardecer, de sons encantadores
No rito feminil das sílabas menores...

 Com versos doces, sonho, expirantes quais rosas.

Renata Cordeiro



 Presente da Estela Siqueira

sexta-feira, 21 de março de 2014

AO GALOPE

 
 
AO GALOPE


Parto ao galope… inacessível...

Sonhas comigo com olhos verdes de anjo

Que nem sombra, nem ruído, nada

Perturba...

Cavalgo à sombra do levante

Sobrevôo a via-láctea

Com meu vestido que brilha

Cintilante...

Amazona dos teus sonhos

Portadora da doçura e da magia

Nos teus sonhos despertos

Cavalgo doce em tua poesia...
 


quarta-feira, 19 de março de 2014

NADA É IGUAL AO SEU ABRAÇO




Nada é igual ao seu abraço... Quando me enlaça pela cintura, sinto-me tremer de emoção, sinto desejo de você... Nada é igual ao seu beijo, sinto explodir o desejo e meu corpo dói... Seu beijo tem o sabor do mel, quando me beija sinto minha boca doce como favos e num sorriso de pura felicidade me leva a provar o céu!

Renata Cordeiro

terça-feira, 18 de março de 2014

MARAVILHOSOS INSTANTES



MARAVILHOSOS INSTANTES

Numa vida há vários caminhos a seguir…
Você que soube dar ao meu coração
Doçura e esperança
Você que me dá tanta felicidade
Você é a minha vida, o meu presente
Para o melhor e para o pior
Guardemos o que é para guardar
Este desejo... este amor...
Estes maravilhosos instantes.
 

segunda-feira, 17 de março de 2014

O CÉU DESPENCA


O CÉU DESPENCA

 
chô, chuá
chove no Jaraguá
chove chuva
sem parar
inundando as marginais
imundando quem se atola
chove chuva no Tatuapé
e muito nego deixou o blindado
prá se locomover a pé...
chô, chuá
a cidade não pode pará
bradam aflitos
os capitães da indústria
a massa de formigas laboriosas
está desorientada
tem água na trilha
quem saiu e não chegou
quem foi e não voltou...
a chuva castiga os morros
levou cavaquinho e violão
invadiu a casinha da dona Maria
derrubou a árvore
arrastou cães e crianças
e implacável despenca seu choro
das nuvens ameaçadoras
que choram em convulsão
será que o pranto não passa?
E essa enxurrada que rola e arrasta
ladeira abaixo
passarela de bananas e melancias
trastes e troços
arrancados dos barracões...
chô, chuá
haja algodão
prá enxugar tanta lágrima!

domingo, 16 de março de 2014

TORNOU-SE AMOR O OUTONO






TORNOU-SE AMOR O OUTONO

Tornou-se amor o outono
Na palidez do dia
No mais profundo sono
Na minha cama macia

Uma estação temporã
Que desenhou com um traço
Os contornos do amanhã,
Terminando num abraço

O sonho parou o tempo
Esqueceu a primavera
Soprou suave o vento
Já de uma nova era

Dois exaltados pensamentos
De uma fuga inusitada
E me vou num momento
Para o meio do nada

Na hora silenciosa
Hora de meditação
Minha alma queixosa
Vai pedir perdão

Perdão ao tardio amor
Que não soube cultivar,
Desperdiçando o melhor
Que o outono podia dar
 
Renata Cordeiro 


sexta-feira, 14 de março de 2014

ETERNIDADE




ETERNIDADE

Meu amor, quanta ternura, quanta emoção


Que não têm explicação

Quero que nos deitemos na areia, num só abraço,

Que tuas mãos passeiem pelo meu corpo, pelo meu regaço,

Quero que o frescor do mar deixe nossos corpos fremindo

Quero ver o castanho dos olhos teus nos verdes meus se refletindo!

Quero que a tua mão entrelace a minha mão
 
Quero que os nossos corpos e almas entrem em conjunção


Quero que um ao outro nos pertençamos

Pois neste instante profundamente nos amamos

Quero que fiquemos juntos até o fim dos nossos dias
 
Porque fiel, tu sabes que eu sempre te seria


Durante todo o tempo da felicidade
 
Desse nosso grande amor, a eternidade.