quarta-feira, 30 de abril de 2014

PORQUE O MUNDO MORRE DE FALTA DE AMOR*************



PORQUE O MUNDO MORRE DE FALTA DE AMOR*************


Que o que eu sinto seja claro qual o cristal;

Que em meu coração cante a alegria, sem mal;

Que da minha boca só saiam palavras de amor;

Que em minh´alma, eu gere um jardim todo em flor,

Que me encha as veias, fornecendo-me o calor

Que me dê o necessário alento, o ar, o frescor,

Para que o meu coração não oscile demais ;

Que eu não me torne sórdida com os meus iguais;

Que eu continue amiga, firme e sincera.

Hoje e sempre, aqui, em meio a esta nova era;

Que eu continue a ajudar na minha medida;

Que de pés no chão sempre alcance a poesia

Que a vida seja altar de amor, sem teoria...






segunda-feira, 28 de abril de 2014

AMOR - TUDO O QUE SE QUER



AMOR - TUDO O QUE SE QUER

O amor toca a todos
Na sua melhor forma ou pior
Todos sentem
Tantos sofrem
Há os que esperam
E aqueles que têm sorte.
Há os que ficam e não acrescentam nada
Enquanto que os que foram deixaram tudo
Há os amores platônicos
E os amores escondidos
Amores de agora
De toda uma vida
Há dores que passam
Outras que viram ferida
Há sonhos que se esfacelam
Outros se realizam
O amor sempre toca
A chaga nem sempre perfura
A saudade sempre insiste
E o que é verdadeiro sempre dura.

@ Renata Cordeiro

domingo, 27 de abril de 2014

AMA-ME



AMA-ME

Ama-me,
Sem entremeios
Indecisões ou receios.
Traz-me flores,
Oferece-me estrelas,
Colhidas especialmente
Para mim.

Ama-me.
Fala-me do amor
E do paraíso.
Vem com beijos,
Vinho tinto
E luz de velas,
Se for preciso.

Ama-me.
Toma-me
Em teus braços.
Eu te juro
Que se tu me
chegares assim,
Não vou poder te resistir.

@ Renata Cordeiro

sexta-feira, 25 de abril de 2014

TUA...



TUA...


Tua... antes da chuva, depois do medo, antes do sol, depois do segredo, antes da metamorfose, depois de qualquer dúvida. Tua...incondicionalmente tua... antes da tarde, depois da lembrança, antes da morte, depois do sossego, antes da mágoa, depois da rebeldia. Tua... inexplicavelmente tua... antes da desesperança, depois da solidão, antes da covardia, depois da certeza, antes do silêncio, depois de todos os nãos. Tua... irremediavelmente tua... antes da desistência, depois de provar todos os vinhos, antes da ironia, depois do disfarce, antes de esgotar o limite, depois de tanta procura. Tua... enquanto o amor perdura.

@ Renata Cordeiro

SONETO DE FIDELIDADE

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.


Vinicius de Moraes


quinta-feira, 24 de abril de 2014

SOMOS POESIA







SOMOS POESIA



Somos poesia



Que fala de amor



Que fala de paz



Somos poesia



Harmonia



Música em forma de poesia



Somos Poesia



Terra Céu



Liberdade



Mar Amizade



Vales Esperança



Amor Vida



Montes Paz



Ar Livro



Sexo Canção



Coração Alma



Sonho Realização



Somos Poesia



Que germina a terra



Que faz o homem chorar



Que faz o amor exaltar



Somos Poesia



Que grita e clama pela paixão



Que chora e reclama pela saudade



Que mostra honestidade num simples verso



Trazendo simplicidade lágrima sorriso



Alegria sem barreiras


Preconceitos fronteiras
 

Num pedaço de papel amarelado



Na tela



Num livro dourado


E aqui somos



Porque de poesia amor paz luz fé somos

quarta-feira, 23 de abril de 2014

SEDUÇÃO





SEDUÇÃO




Dos olhos


Das meias palavras


Das entrelinhas.


Sedução


Do mistério,


Aguçando a imaginação,


O desejo.


Sedução


Despertando o querer


Do amor


O prazer.


Sedução


Do andar envolvente


Da língua entre os dentes.


Sedução


Dos cabelos jogados


Dos lábios molhados


Sedução


Minha alma sempre a vogar


Por onde o nosso olhar



Não se cansa de fitar.


***

Desnudo-me de toda aparência,
Pondo alma e corpo a descoberto.
Sei que sou tão-só essência
Com os sentidos pisados despertos.


@ Renata Cordeiro



segunda-feira, 21 de abril de 2014

AMOR

AMOR

Ouvir a voz,
Respirar o cheiro,
Sentir as mãos,
Amor...
Aos poucos,
 desvendando.
Devagar,
saboreando.
A cada desnudar
Sentimos
O brilho do olhar.
Amor...
Tua língua
Provocando-me
Amor...

sábado, 19 de abril de 2014

NO RETORNO DA TERNURA


NO RETORNO DA TERNURA

O que me dá poesia
E me deixa a vida bela,
O que num brando roçar
Faz meu peito se agitar,
É sempre sentir o amor.
Saem rasgos de cetim
Da paz que se diz em mim.
Percorro os rumos sem dor.
Acaricia-me a luz
Olhos nos olhos, paixão.
Sinto teus dedos nas mãos
De apalpá-los, contê-los...
Elevo-me ao teu fervor
E nós dois, sem compromisso,
Prendemo-nos quais bichos,
E amamo-nos com doçura,
No retorno da ternura.

@ Renata Cordeiro





Entro pela tua alma distraída
Salto em tuas janelas
Sem tapumes, sem taperas
No mergulho da vida
Piso leve em teus sentidos,
Descobrindo teus esconderijos.

@ Renata Cordeiro



BLOG EM FÉRIAS - SEM NET

quinta-feira, 17 de abril de 2014

MINHA OBRA DE ARTE, MINHA ESCULTURA E MINHA PAZ, POEMA QUE EVERSON RUSSO ME OFERECEU





MINHA OBRA DE ARTE, MINHA ESCULTURA E MINHA PAZ

Olhar seus passos leves que sutilmente tocam o chão

Levando-a ao infinito de sonhos carinho e paixão

Apreciar o seu sorriso alegria de viver

Obra de arte mais linda

Mãos do Criador desenharam você

Desfila linda pelo sereno

Para você o mundo é tão pequeno

No banho despida com o corpo molhado de desejo

Poesia nenhuma conseguiria descrever seu beijo

Em momentos de solidão me massageia a alma

Em momentos de amor a minha alma acalma

Linhas e traços perfeitos

Escultura que jamais se faz

Vestida de amor e sedução

Minha obra de arte, minha escultura e minha paz

By Everson Russo
evrediçõesmusicais
Direitos autoriais reservados lei 9.610 de 19/2/98
www.olivrodosdiasdois.blogspot.com


quarta-feira, 16 de abril de 2014

SONETO 11



SONETO 11

Lusco-fusco... cor quente que fascina
Meu coração humano a palpitar,
A pulsar, a vibrar, a incomodar,
Propagando-se em pura adrenalina...

Noturno... nas areias cristalinas
Explode o raio prata do luar,
As esperanças vão girando no ar,
Emitindo sons, notas sibilinas...

Muito invejoso, o céu tenta prendê-las
A todo custo, usando fio de ouro,
Mas as guardo sob meu cabelo louro.

E as esperanças, rútilas estrelas,
Do verde musical da água perdida
Transmutam-se na minha própria vida.