domingo, 30 de novembro de 2014

O CÉU DESPENCA

O CÉU DESPENCA


chô, chuá
chove no Jaraguá
chove chuva
sem parar
inundando as marginais
imundando quem se atola
chove chuva no Tatuapé
e muito nego deixou o blindado
prá se locomover a pé...
chô, chuá
a cidade não pode pará
bradam aflitos
os capitães da indústria
a massa de formigas laboriosas
está desorientada
tem água na trilha
quem saiu e não chegou
quem foi e não voltou...
a chuva castiga os morros
levou cavaquinho e violão
invadiu a casinha da dona Maria
derrubou a árvore
arrastou cães e crianças
e implacável despenca seu choro
das nuvens ameaçadoras
que choram em convulsão
será que o pranto não passa?
E essa enxurrada que rola e arrasta
ladeira abaixo
passarela de bananas e melancias
trastes e troços
arrancados dos barracões...
chô, chuá
haja algodão
prá enxugar tanta lágrima!

sábado, 22 de novembro de 2014

ESPERANDO A NOITE CHEGAR



ESPERANDO A NOITE CHEGAR

Sem o pio das aves noturnas
nem mesmo grilos impertinentes
ou sinos ao longe
sem luar nem estrelas
espero a noite chegar,
que me cubra com seu manto
de solidão e silêncio
que afogue em morna escuridão
essa ânsia de amar e viver
de fazer e desfazer
minha insônia teimando
em vencer o corpo cansado
esse palpitar acelerado no peito
A música estridente
grito desesperado nas trevas
vinda de alguma janela
só me diz que há mais alguém por aí
em sua toca esperando a noite chegar
Quero que venha serena
como onda de mar em calmaria
que umedeça minha pele seca
e a cubra de carícias
desejo tão-somente
o afago da mão
percorrendo os meus cabelos rebeldes
e um beijo de boa noite

@ Renata Cordeiro

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

SOU ASSIM, E COMO...





SOU ASSIM, E COMO...

Sou assim,

Sou irresponsável,
 
como criança...
 
Sou fera,
 
como gente grande...
 
Sou assim, 

começo, meio e fim
 
 E vou comendo...

como a Vida!

e como Tudo! 




Suely Ribella ©Ferina Sue
Adap. pela Renata 

domingo, 16 de novembro de 2014

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

POR VOCÊ E POR MIM



POR VOCÊ E POR MIM



Nas palavras em que me debruço

Nos degraus em que contemplo

Rio soluço

Não me importa o tempo.

Vejo os seus dedos

Seu corpo em movimento

Que dança a meio no firmamento.

Escrevo por você e por mim

Pelos sentidos e sentires afins.

Maravilhoso encantamento!

Lindo divino que me inspira!

Sou por quem você suspira.

Percebo ao luar o seu sorriso

Pétalas caem do Paraíso,

Enchendo o mundo de esplendor,


Envolvendo-me numa ímpar onda de amor...
Renata Cordeiro 


Mensagens de Amor

domingo, 9 de novembro de 2014

A SOLIDÃO E O ETERNO DESENCANTO DO HOMEM



A SOLIDÃO E O ETERNO DESENCANTO DO HOMEM

Solidão,
Aqui estão as minhas credenciais,
À tua porta, venho batendo
Já faz algum tempo
Acho que passaremos juntos por temporais,
 acho bom que tu e eu nos vamos conhecendo.

Cá estou
O que tenho são as minhas cicatrizes
Palavras sobre papel pautado
Faz ouvidos moucos ao que dizem
Tu me acharás
Em tudo o que eu não digo.

Já passou
Já deixei para trás o que denigra
A ilusão de que viver é (in) dolor
Que estranho que sejas tu
Quem me acompanhe, solidão
a mim, que nunca me soube bem
estar sozinho.

***

Espera-me!!! 
ouve ele ao longe...



quarta-feira, 5 de novembro de 2014