quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

FLOR BELA





FLOR BELA

florzinha silvestre
singela e sem nome
à beira da estrada
em descuidados matagais
à vista de todos e qualquer
ao alcance da mão
sem aparentes mistérios
quase sem fragrância
despercebida
talvez a desfolhe algum apaixonado
pra saber se seu bem o quer
ou fique ali relegada
à existência serena
de quebrar o verde
com respingos de branco
em tardes de verão
atraiu-me um dia
a beleza fria da orquídea
segredo envolto em cores plácidas
de flor frágil, efêmera e rara
mas já não me cativam
preciosidades de estufa
volto aos campos e caminhos
em busca do encanto
que de tanto ninguém vê
de pétalas ao sol
em sorriso franco
na alegria de ser e não ser mais
que simples flor do campo

4 comentários:

Jaime Portela disse...

Flor do campo tem mais encanto...
Gostei imenso do seu poema, é excelente.
Renata, bom resto de semana.
Beijo.

mム尺goん disse...

E....

Caminha resoluta naquilo que lhe diz!


abç

Daniel Costa disse...

Renata. Flor Bela, não Espanca. A poesia é diferente, mas vem de poeta de boa linhagem.
Beijos

Jorge disse...

Beijinho, Renata e obrigado!