quinta-feira, 10 de março de 2016

AMOR - TUDO O QUE SE QUER



AMOR - TUDO O QUE SE QUER

O amor toca a todos
Na sua melhor forma ou pior
Todos sentem
Tantos sofrem
Há os que esperam
E aqueles que têm sorte.
Há os que ficam e não acrescentam nada
Enquanto os que foram deixaram tudo
Há os amores platônicos
E os amores escondidos
Amores de agora
De toda uma vida
Há dores que passam
Outras que viram ferida
Há sonhos que se esfacelam
Outros se realizam
O amor sempre toca
A chaga nem sempre perfura
A saudade sempre insiste
E o que é verdadeiro sempre dura.

@ Renata Cordeiro



5 comentários:

Jorge disse...

Renata,

Contingências da vida fizeram-me desacreditar no amor, mas na paixão não, continuo a acreditar.
Parabéns, este texto está apaixonamente bem escrito!

Um beijinho

Felisberto N. Junior disse...

Olá, Renata
vero, penso que existem vários tipos de amor, e cada um com significado diferente. Como diria M.Medeiros , amores necessários e amores contingentes ao longo da vida e tem aquele amor onde nada abala e que resiste a qualquer dificuldade, com união nos momentos ruins e momentos alegres e a sua duração ...hum...é o seu próprio tempo...
agradeço pelo carinho,belos dias, beijos!

MARILENE disse...

Renata, o amor em formas variadas. Amamos, tropeçamos, nos machucamos, mas não desistimos dele. Bjs.

Daniel Costa disse...

Renata
As várias formas de amor, são verdadeiro amor. Para o poeta, o platónico constitui idealismo.

O meu novo blog é LUARES E MARÉS de post’s autobiográficos. Visite-o, agora com A MAGIA DOS BRINQUEDOS.
http://poesiahomemso.blogspot.pt/
Bjs

Felisberto N. Junior disse...

Olá, Renata, ...
sorry, posso retificar meu comments acima? E já retificando, hehehe...da M.Medeiros, é somente "...amores necessários e amores contingentes ao longo da vida ", o restante, sim,é a minha "opinião" sobre...
Obrigado pelo carinho, feliz f.d.s, belos dias, beijos!