segunda-feira, 4 de abril de 2016

O AMOR



O AMOR



Estar no peito e não te perceber
É fora que o pensamento está
O dentro de mim é só sentimento
Querendo que haja o que apenas há.


Ouvir o compasso e não entender
O que me saí pela boca, lento
O amor sem o tentar descrever
Sem precisar do relógio do tempo.


Não vacilar em ultrapassar limites,
Vivendo o que o amor permite
Suportar os estragos no sentimento
Quando a fúria de um momento


Transforma-se em luz
Que nos inebria e seduz.
E num instante renasço
Outra e a mesma nos teus braços.


Desaparecemos em nós mesmos.

@ Renata Cordeiro

6 comentários:

✿ chica disse...

O que te dizer dessa linda poesia? Encantadora! beijos, tudo de bom,chica

Bell disse...

Que lindo!!!

bjokas =)

Daniel Costa disse...

Renata

O amor será a terna e eterna poesia para sempre. A tua expressividade, mais uma vez, lhe atribui essa condição.
De realçar também a bonita expressão musical.
Beijos

Felisberto N. Junior disse...

Olá,Renata...mui belo..., me chamou atenção esse belo verso..."Não vacilar em ultrapassar limites,Vivendo o que o amor permiteSuportar os estragos no sentimentoQuando a fúria de um momento" amar só quando é fácil não é o bastante; temos de ter a capacidade de amar quando é difícil e só o amor tem esse poder...Obrigado pelo carinho,feliz semana,belos dias, beijos!

Sonia Pallone disse...

Perfeita a junção do vídeo "caliente" e do belíssimo poema ! Ótima pedida pra um fim de noite... Beijos, obrigada pela visita ao Solidão de Alma.

Bandys disse...

São poucos que conseguem escrever sobre o amor.
E você o faz com maestria.

Linda poesia.

beijos