domingo, 28 de fevereiro de 2016

SERÁ??




SERÁ??



É fechar os olhos e ver-te,

é pensar em ti e poder ouvir-te,

é poder tocar-te, é abraçar-te,

sentir teu cheiro mesmo sem estares aqui...

É ouvir um eco suave o som das tuas palavras,

é olhar para o infinito e ver teus olhos fixos olhando para mim...

Sentir-te, é não precisar pedir para fazer o que quero sentir,

é não precisar pedir pra dizer o que quero ouvir

mesmo sem encontrar palavras...

Sentir-te é um sentimento que não dá para tirar conclusões

ou inventar palavras para expressar ...

Entre todas as coisas,

é poder explicar o que não tem explicação,

é um sentimento bom e ruim ao mesmo tempo...

Sofro por não te ter pra te dar tudo que sinto...

Sofro o medo e a insegurança de perder-te...

Será?? 

Amor

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

ALVORECER


ALVORECER



"Preciso de teu porto



Outras águas para navegar



Olhos abertos



Serenidade



Vislumbre aconchego



Irradia



Reflete essa transparência



De olhos marejados



Alma em mãos



Uma outra vida



Uma nova chance



Onde tudo são risos



Onde a pele estampada



Vibra forte



E a amplitude da vida



Se renova a cada alvorecer"



De Nayara à serena Renata.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

QUERO




QUERO

Quero sempre te desejar
coisas assim
simples
e que são as melhores passagens
como um sorriso
para a vida
uma lição

viagens


ingressos de vinda


sem dia para voltar

onde o que mais importa



é gostar de estar junto



e compartilhar a vida



e morrer de amar de tanto abraçar o amor.



Beijos*

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

SONETO 7




SONETO 7

Intoxicada: é essa a sensação
Que me percorre todo o corpo em sonho.
O inferno abriu os seus portões, medonho,
Enchendo-me de cinzas o pulmão.

Sinto falta de ar, dói-me o coração,
Que ontem batia, mágico e risonho,
E hoje bombeia, trágico e tristonho,
Um sangue escuro em plena ebulição.

Sufoco... Porém, surge no negrume
Que me consome toda, o claro lume
De um sentimento antigo, imaculado...

E do alto, onde repousam as estrelas,
Vertem os olhos puros de uma delas
Verdes águas de amor embalsamado...

domingo, 14 de fevereiro de 2016

MESMO QUE TUDO SE ACABE



MESMO QUE TUDO SE ACABE

Nem que tudo pareça perdido

nem que o mundo se acabe

nem que as flores não brotem

nem que o sol deixe de brilhar

ainda restará uma esperança

Mesmo que não mais me queira

mesmo que a saudade não bata

mesmo que não mais me olhe

mesmo que me tenha esquecido

ainda restará uma esperança

Ainda que eu envelheça

ainda que os anos me abatam

ainda que meus cabelos embranqueçam

ainda que eu não o possa querer

ainda restará uma esperança

Mesmo que o corpo se canse

mesmo que o cérebro não comande

mesmo que a alma chore

mesmo que o coração não bata

ainda restará uma esperança

Quando eu deixar de viver

quando eu já tiver partido

enquanto houver uma lembrança

enquanto eu deixar uma saudade

Eu o estarei amando

@ Renata Cordeiro



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

ROSA


ROSA

Rosa, o presente é teu coroamento.
Eras um pálido cálice antes
Tu és, hoje, o infinito concordante
Da minha alma que vai se reerguendo.

Olhando-te, parece que usas terno
Vestido em camadas, feito de luz;
No entanto, cada pétala conduz
E dissolve a veste no instante eterno.

O teu perfume clama o meu nome
Pelo tempo e o imenso espaço vazio.
E o aroma fica no ar como o renome.

Palavras me escapam. Meu corpo lasso,
Minhas memórias todas sentem frio...
Vou por aí, um dia acho um abraço.

Feito após a leitura de um poema de Rainer Maria Rilke, intitulado
O Perfume da Rosa.

@ Renata Cordeiro


domingo, 7 de fevereiro de 2016

BELEZA DIVINA




BELEZA DIVINA

Uma flor qualquer ousou
Lançar seu pólen laranja
Nas tuas mãos de seda
E nas tuas doces faces.


Ofuscante beleza
Sinto o sabor delicado
Do teu perfume
E dos teus beijos.


Sucumbo emocionado
Pelo brilho do teu olhar
Iluminado por rara luz
Sou transportado


Uma onda de felicidade
Jorra dos teus olhos
Ofereces toda a ternura
Que há neste mundo*

sábado, 6 de fevereiro de 2016

RENATA, POEMA DE DANIEL COSTA


POEMA DE HOMENAGEM A RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO
 

RENATA


Mulher de letras intemerata
Na pose, na cultura, no amor também
Qual vulcão!
Seu nome Renata
Rê para os amigos, mas Renata Maria
Mais atraente, nome que tem
Com a sua aparente candura, ver-se-ia
Alma bela de poetisa, estrela reluzente
Emana amor, o grande senhor
Interiormente cadente
Exteriormente seu porte é amor
Quando ela passa
Passará a mulher feita tela? Não senhor
Se bem observada
É elegante, sua tez, olhos e alma
Sempre cadente o amor
Sua mente brilhante
Comparável a uma constelação
A um grupo de estrelas
Ao Cruzeiro do Sul, porque não?
Que não ceguem o brilho
Mesmo o esvoaçar cintilante
Bem observada de antemão
Passa uma mulher bela
Mente rica, a seguir seu trilho
Passa a singularidade de uma tela
É a Renata Maria com seu brilho
A grande Renata, mulher singela
Singularidade da pose e da cultura
Renata, se observada quando passa
Observando-a e meditando
Nota-se uma mulher escultura

Daniel Costa
 
http://danielmilagredanieldaniel.blogspot.com.br/
 
 
 

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

ETERNA ARTE, POEMA DE DANIEL COSTA

“Crimson: Woman Crying”, por Horácio Cardozo, Fine Art América.

ETERNA ARTE
A arte é eterna
Não tem sexo
Ainda que moderna
Mesmo a que se chama Déco
Arte há em tudo
Sempre eterna
O nosso mirar
Mesmo a moderna
Será perpetuada pelo olhar
Sendo assim, vejamo-la eterna
Pensemos no nu feminino
A paleta do pintor
O tornou divino
A arte nunca será gratuita
Eternizará o modelo, o pintor
O modelo transformará
Num hino de louvor
Os deuses aprovarão
A natureza desse favor
A mulher fica sempre bela
Muitos séculos volverão
Vejam, olhem a tela
Como a mulher se pintou
Perece sempre singela
O deus da arte que invocou
A perpetuou bela
Em toda a parte a mulher
É obra de arte, o homem olhou
Foi Deus
Foi Deus quem a criou

Daniel Costa
 
http://danielmilagredanieldaniel.blogspot.com.br
 
 

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

POR VOCÊ E POR MIM



POR VOCÊ E POR MIM


Nas palavras em que me debruço

Nos degraus em que contemplo

Rio soluço

Não me importa o tempo.

Vejo os seus dedos

Seu corpo em movimento

Que dança a meio no firmamento.

Escrevo por você e por mim

Pelos sentidos e sentires afins.

Maravilhoso encantamento!

Lindo divino que me inspira!

Sou por quem você suspira.

Percebo ao luar o seu sorriso

Pétalas caem do Paraíso,

Enchendo o mundo de esplendor,

Envolvendo-me numa ímpar onda de amor...
Renata Cordeiro